Como identificar um relacionamento abusivo

Como identificar um relacionamento abusivo

Engana-se quem pensa que o relacionamento abusivo se restringe somente aos casais, no âmbito romântico. Ele pode acontecer também entre amigos, família e no trabalho. Mas, o que caracteriza o relacionamento abusivo? Algumas pessoas acreditam que é quando acontece uma agressão física, mas não é só isso. Existem outras formas de abusos psicológicos que machucam e deixam marcas para a vida toda.

Quando uma pessoa se aproveita da vulnerabilidade ou fragilidade da outra, ou tenha qualquer comportamento com a intenção de intimidar, manipular, humilhar, magoar ou ferir o outro, isto pode ser considerado um comportamento abusivo. É uma relação tóxica, quando uma das partes toma posição de poder para controlar a outra, sem necessariamente usar a violência física, mas com base na intimidação e manipulação. Por questões estatísticas e do machismo estrutural, a vítima é, geralmente, do sexo feminino, mas também vemos casos de relacionamentos abusivos onde a vítima é o homem e entre casais LGBTQIA+.

Muitas pessoas têm dificuldade de enxergar que estão vivendo um relacionamento abusivo, pois, normalmente no início, o abusador começa de uma forma bem sutil, e muitos sinais de alerta podem ser confundidos com demonstrações de afeto, quando falamos de relacionamentos amorosos. Infelizmente é comum vermos a romantização de algumas atitudes prejudiciais como ciúmes excessivos ou controle sobre o que a pessoa veste e com quem ela se relaciona sob a justificativa de proteção.

Quando percebe que há algo errado, a vítima já está tão envolvida emocional e psicologicamente, que fica difícil se desvencilhar do(a) parceiro(a). Atitudes como demonstrar ciúmes com muita frequência, pedir para se afastar de amigos ou familiares com a desculpa de que não são “boa companhia”, controlar a vida financeira da(o) parceira(o), desrespeito com outras pessoas, chantagens emocionais, manipulação psicológica, colocar a culpa no outro quando tem alguma atitude desequilibrada, são sinais de alerta.

Quem já viveu um relacionamento tóxico sabe que os abusos sofridos deixam marcas profundas, tanto físicas, quanto psicológicas. A vítima sai de um relacionamento abusivo com a saúde mental totalmente fragilizada e autoestima extremamente abalada, prejudicando seu senso de merecimento em todas as esferas da vida. Ao mesmo tempo, a vítima acaba se tornando insegura e vulnerável a entrar em outra relação tóxica. Por isso, é importante não ter vergonha de falar sobre o assunto e buscar uma rede de apoio e acompanhamento psicológico.

Vale lembrar que sair de um relacionamento abusivo não significa passar uma borracha no passado e seguir a vida como se nada tivesse acontecido. As cicatrizes emocionais podem durar para sempre. Lidar com medo, solidão, desafios financeiros e carreira, sem uma rede de apoio, não é fácil. A ajuda de um psicólogo é essencial para a superação dos traumas e seguir em frente. Embora a mistura de sentimentos de raiva, rancor e mágoa sejam compreensíveis após o término, é importante não se deixar levar por eles e trabalhar esses sentimentos na terapia.

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Alguns artigos do mesmo tema