Manchester à Beira Mar

Manchester à Beira Mar

ATENÇÃO: O TEXTO ABAIXO CONTÉM SPOILERS

Manchester à Beira Mar, (“Manchester by The Sea”, 2016), é um drama familiar que conta a história de Lee Chandler (Casey Affleck) que volta para sua cidade Natal após a morte, por problemas cardíacos, do seu irmão Joe (Kyle Chandler). Lá descobre que será o guardião legal de seu sobrinho adolescente Patrick (Lucas Hedges), ao mesmo tempo em que é obrigado a lidar com seu próprio passado sombrio.

Dirigido magistralmente por Kenneth Lonergan, “Manchester à Beira Mar” é um daqueles filmes tão complexos que o torna quase impossível de ser analisado. Vou, então, pontuar alguns aspectos que me chamaram a atenção.

Comecemos pela fotografia cinza e fria (literalmente) do filme que nos mostra personagens com profundos conflitos internos, tentando se ajustar à realidade em que se encontram. Lee é um indivíduo atormentado pelo passado, amargo e estagnado na vida. Trabalha como zelador em Boston, aparecendo quase sempre apático e com olhar vazio, evitando qualquer contato humano íntimo e direcionando raiva (contra si mesmo e contra o mundo) para brigas em bares. Aparentemente calmo, ele é um oceano de tristeza, desespero e culpa, o oposto do que era anos atrás. Ao longo do filme nos é revelado o verdadeiro motivo de Lee ter dificuldade em formar vínculos: ele havia passado por um trauma pessoal inenarrável.

Mesmo com a morte de seu irmão Joe, Lee demonstra extrema dificuldade em expressar emoção, voltando toda sua atenção para resolver os aspectos práticos do funeral e do cuidado com seu sobrinho Patrick, um adolescente cheio de vida. Interessante mencionar aqui a cena onde Joe recebe o diagnóstico do seu problema cardíaco, sobretudo do cuidado e sensibilidade com que a médica da a notícia. Aliás, a médica é tão acolhedora que a família faz questão de manter contato com ela até o final do filme. Outro ponto de estabilidade é George, o melhor amigo de Joe, um dos poucos personagens que demonstra emoção e empatia.

Ao contrário de Lee, que tenta escapar do seu luto fugindo para Boston, o irmão Joe aceita o diagnóstico da cardiopatia e deixa sua vida (e a do seu filho) totalmente organizadas para quando ele morrer. O único ponto em aberto na vida de Joe e de seu filho adolescente Patrick é a relação com a mãe do menino, Elise (Gretchen Mol), uma alcóolatra em recuperação que havia abandonado a família anos antes. Elise, agora casada com um fanático religioso (interpretado por Matthew Broderick), não consegue dar conta do filho de novo e foge mais uma vez, desta vez encontrando refúgio na religião e não mais no álcool.

Caminho muito diferente segue a mulher de Lee, Randi (Michelle Williams), que após o trauma decide casar-se de novo e ter um filho. Notem aqui o pouco contato afetivo que ela parece ter estabelecido com o bebê (não o acalma durante o choro, mal olha para ele dentro do carrinho). Destaque final para a cena, doloridíssima, em que Randi pede desculpas a Lee por tê-lo culpado por tantos anos. O sentimento de vingança de Randi dá lugar a uma pena profunda do seu ex-marido.

“Manchester à Beira Mar” é, em poucas palavras, um relato sensível sobre luto, vínculos e recomeços. Um filme que ao invés de simplesmente “assistir” você “sente”.

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Alguns artigos do mesmo tema