Como lidar com o confinamento doméstico: 8 hábitos para manter o equilíbrio mental

Como lidar com o confinamento doméstico: 8 hábitos para manter o equilíbrio mental

A pandemia do COVID-19 tem forçado o mundo inteiro a mudar radicalmente seu modo de vida. Em função da quarentena imposta para desacelerar a disseminação do vírus, as pessoas estão fisicamente isoladas, muitas das quais sem trabalhar e com sérias preocupações financeiras. Com o passar das semanas, os profissionais de saúde mental notam um grande aumento nos sintomas de ansiedade e de depressão, mesmo em pacientes que não tinham estes diagnósticos antes.

O confinamento aumenta todo tipo de sintoma psíquico, pois pode nos aprisionar a pensamentos negativos, tirando a nossa possibilidade de refutá-los nas tarefas rotineiras ou no convívio social. Somam-se a isso irritabilidade, a incerteza e os sentimentos de angústia e falta de propósito quando o nosso estilo de vida é interrompido e as notícias são alarmantes.

À medida que certas regiões do planeta vão mostrando uma diminuição no ritmo de avanço da pandemia, vão surgindo estudos relatando os efeitos práticos do confinamento. Um estudo realizado por psicólogos chineses e australianos (1), por exemplo, publicado no último dia 13 de março, concluiu que as pessoas que tiveram maior sofrimento emocional no período foram as que tiveram que parar de trabalhar.

Os números vindos da China também (2) mostram um aumento no número de divórcios após o fim do período de confinamento. Isto não é surpresa, uma vez que, somado ao estresse da pandemia, os casais vivenciam um longo período de tédio, desabastecimento, problemas financeiros, e a necessidade de divisão de trabalho doméstico e do cuidado com as crianças. Casais em relacionamentos desgastados e com padrões de comunicação destrutivos não costumam sair ilesos da quarentena. Outro grande grupo de risco de sofrimento emocional são as vítimas de violência doméstica, que ficam presas com seus agressores.

Apesar destes estudos nada animadores, enxergo um lado positivo nestes tempos difíceis: finalmente teremos a oportunidade de desacelerar um pouco e de valorizar as coisas que são importantes para nós. Após uma semana de reflexão, listei 8 hábitos que são importantes para manter o equilíbrio mental nas próximas semanas.

1. Conversar com amigos e familiares

O isolamento físico não se traduz necessariamente em isolamento social. Hoje a internet nos permite estar conectados o tempo inteiro com nossos amigos e familiares. Embora isto não substitua o convívio presencial, contribui muito para reduzir a sensação de solidão.

2. Teclar menos

Apesar de as mensagens de texto serem eficazes para compartilhar informações de forma imediata, essa mesma instantaneidade estimula a ansiedade. As conversas em formato de texto também carecem o principal elemento que nos aproxima: a voz humana.

3. Reduzir o uso das redes sociais

Este hábito está diretamente ligado ao anterior. Já está mais do que na hora de a gente se conscientizar do potencial viciante e gerador de ansiedade das redes sociais (3). Além do mais, estamos passando por um período complicado e ficar vendo narrativas idealizadas é distópico. Neste momento, mais do que nunca, precisamos de mais carinho e proximidade emocional.

4. Focar na rotina

Para evitar sair da rotina, continue tentando dormir, acordar e se alimentar nas mesmas horas de sempre. Ficar acompanhado as notícias é tentador, mas interfere no nosso ciclo circadiano.

5. Reduzir o álcool e a comida

Quem estiver sofrendo de depressão ou ansiedade, deve reduzir a ingestão de álcool, pois este potencializa sintomas depressivos. Importante ficar atento também à alimentação: em situações de confinamento as pessoas tendem a comer demais. Some-se a isso a falta de exercício físico e temos um ganho de peso expressivo e possível desenvolvimento de um transtorno alimentar.

6. Evitar excesso de informação

Limite o consumo de notícias a apenas duas vezes ao dia. Tentar ficar informado o dia inteiro pode agravar quadros de depressão e de ansiedade.

7. Compartilhar experiências positivas

No meio desse turbilhão de notícias ruins, vale também separarmos um tempo para focar naquilo que vivenciamos de bom. Correntes da psicoterapia moderna, como a Psicologia Positiva, demonstram o poder do pensamento positivo, especialmente em situações de estresse. Não se trata de negar o sofrimento, mas de não deixar a dor ofuscar a nossa alegria de viver.

8. Procurar ajuda

Muitos psicólogos estão realizando atendimentos online. Se você ainda não faz terapia e pretende começar, para lutar contra sintomas de ansiedade ou depressão, procure um profissional de confiança.

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Alguns artigos do mesmo tema